À Poesia…

moça

Antes mesmo que o Sol descortinasse da janela do meu quarto a palência negril dos seus cabelos beijou-me o pescoço e banhou-me nos lábios de sua noite. Um sabor de final da tarde já desenhara alguns traços, num pouso manso no esvaziar da cidade. Vagueio em sua tez não devoluta, bebo dessas cadências, deitada numa rede. Mas ela move-se inteira a colorir cada uma das minhas letras e a me fazer ver músicas nos meus dedos, deixando gosto bom na minha boca. E por recebê-la assim vestida de P o e s i a, dedilho-a debruçada em mim, à espera do vinho à mesa, do drink, do Blues descontraído. Dessas ternuras a compor rimas, a inaugurar prosas, teus gestos; tuas mãos marcando o Jazz. Um roteiro inteiro pra colorir o Céu cinzento com azul cor de Poesia. E por recebê-la inteira, me suscitou um verso, moveu-se infinita, plácida, cantante e o que prediz em mim – a  i n s p i r a ç ã o. Seria caber carinho, seria transbordar em palavras. Havia de ser entre lençóis, brumas, passeio bom pra redescobrir todos seus cantos e os meus, beiras, vãos, risos e poemas.

(Fernanda Fraga, in; À Poesia, 25/09/2012)

*Imagem desconheço autoria.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s